Literatura moçambicana – Autores e suas Obras

0
3573

 

PAULINA CHIZIANE

Vida

Paulina Chiziane (Manjacaze, Gaza, 4 de Junho 1955) é uma escritora moçambicana. Paulina Chiziane cresceu nos subúrbios da cidade de Maputo, anteriormente chamada Lourenço Marques. Nasceu numa família protestante onde se falavam as línguas Chope e Ronga. Aprendeu a língua portuguesa na escola de uma missão católica. Começou os estudos de Linguística na Universidade Eduardo Mondlane sem, porém, ter concluído o curso.

Participou activamente à cena política de Moçambique como membro da Frelimo (Frente de Libertação de Moçambique), na qual militou durante a juventude. A escritora declarou, numa entrevista, ter apreendido a arte da militância na Frelimo. Deixou, todavia, de se envolver na política para se dedicar à escrita e publicação das suas obras. Entre as razões da sua escolha estava a desilusão com as directivas políticas do partido Frelimo pós-independência.

Iniciou a sua actividade literária em 1984, com contos publicados na imprensa moçambicana. Com o seu primeiro livro, Balada de Amor ao Vento, editado em 1990, tornou-se a primeira mulher moçambicana a publicar um romance.

Obras

  • Balada de Amor ao Vento:
  • Ventos do Apocalipse:
  • O Sétimo Juramento. Lisboa: Caminho, 2000.
  • Niketche: Uma História de Poligamia:
  • O Alegre Canto da Perdiz. Lisboa: Caminho, 2008.
  • Na mão de Deus,2013.
  • Por Quem Vibram os Tambores do Além, 201

JOSÉ JOÃO CRAVEIRINHA

Vida

Lourenço Marques (actual Maputo), 1922 – 2003

Poeta, ensaísta e jornalista. Nasceu em Lourenço Marques (hoje Maputo), filho de pai branco (algarvio) e de mãe negra (ronga). Sendo o pai um modesto funcionário e, ao tempo da opção, já reformado, José Craveirinha teve de ser sacrificado, ficando pela instrução primária, para que seu irmão mais velho fizesse o liceu. Mas Craveirinha, que então já lia muito, influenciado por seu pai, grande apaixonado de Zola, Victor Hugo e Junqueiro, passa a fazer em casa o curso que o irmão fazia no liceu, acompanhando as lições que este ia tendo. Assim, os seus professores foram-no sem o saber ou sabendo-o só mais tarde. Iniciou a sua actividade jornalística no Brado Africano, mas veio a colaborar depois no Notícias, onde foi também revisor, na Tribuna, no Notícias da Beira, na Voz de Moçambique e no Cooperador de Moçambique. Neste último publicou uma série de artigos ensaísticos sobre folclore moçambicano que constituem uma importante contribuição para o tema. Mas foi na poesia que Craveirinha se revelou como um destacado caso nas letras de língua portuguesa, afirmando-se “a incomensurável distância – o maior poeta africano de expressão portuguesa” (Rui Knopfli). Estrear-se-ia como poeta, também no Brado Africano de Lourenço Marques, em 1955, seguindo-se a publicação de poemas seus no Itinerário da mesma cidade e em jornais e revistas de Angola, Portugal (nomeadamente em Mensagem, da Casa dos Estudantes do Império) e Brasil, principalmente. Figura em todas as antologias de poesia africana de língua portuguesa que desde então se publicaram e também em muitas antologias de poesia africana de todas as línguas.

Obras

Chigubo. Lisboa: Casa dos Estudantes do Império, 1964 (com treze poemas); a 2ª Edição foi rebaptizada Xigubo, com vinte e um poemas (Maputo: INLD, 1980).

Cantico a un dio di catrane. Milano: Lerici, 1966. Edição bilingue com tradução e prefácio de Joyce Lussu.

Karingana ua karingana. Lourenço Marques: Académica, 1974. 2ª Edição, Maputo: INLD, 1982. 3ª Edição, Maputo: AEMO, 1996.

Cela 1. Maputo: INLD, 1980 (Poemas da prisão, ao jeito dos que escreveram os angolanos António Jacinto e António Cardoso).

Izbrannoe. Moskva: Molodaya Gvardiya, 1984.

Maria. Lisboa: ALAC (África, Literatura, Arte e Cultura), 1988 (Poemas dedicados à falecida mulher, selecção de entre muitas e muitas dezenas, conforme informação do autor.)

Babalaze das hienas. Maputo: AEMO, 1996.

Hamina e outros contos. Maputo: Ndjira, 1997.

Maria. Vol.2. Maputo: Ndjira, 1998.

Poemas da Prisão, Lisboa, Texto Editora, 2004.

Poemas Eróticos. Moçambique Editora/Texto Editores, 2004 (edição póstuma, sob responsabilidade de Fátima Mendonça)

Foi ainda o primeiro africano a receber o Prémio Camões, em 1991.

MIA COUTO

Vida

Mia Couto, pseudónimo de António Emílio Leite Couto (Beira, 5 de Julho de 1955), é um biólogo e escritor moçambicano

Mia Couto nasceu e foi escolarizado na Beira, cidade capital da província de Sofala, em Moçambique – África. Adotou o seu pseudónimo porque tinha uma paixão por gatos e porque o seu irmão não sabia pronunciar o nome dele. Com catorze anos de idade, teve alguns poemas publicados no jornal “Notícias da Beira” e três anos depois, em 1971, mudou-se para a cidade capital de Lourenço Marques (agora Maputo). Iniciou os estudos universitários em medicina, mas abandonou esta área no princípio do terceiro ano, passando a exercer a profissão de jornalista depois do 25 de Abril de 1974. Trabalhou na Tribuna até à destruição das suas instalações em Setembro de 1975, por colonos que se opunham à independência. Foi nomeado director da Agência de Informação de Moçambique (AIM) e formou ligações de correspondentes entre as províncias moçambicanas durante o tempo da guerra de libertação. A seguir trabalhou como director da revista Tempo até 1981 e continuou a carreira no jornal Notícias até 1985. Em 1983, publicou o seu primeiro livro de poesia, Raiz de Orvalho, que, segundo algumas interpretações, inclui poemas contra a propaganda marxista militante. Dois anos depois, demitiu-se da posição de director para continuar os estudos universitários na área de biologia.

Obras

Mia Couto tem uma obra literária extensa e diversificada, incluindo poesia, contos, romance e crónicas.

Poesias

  • Raiz de Orvalho
  • Idades Cidades Divindades
  • Tradutor de Chuvas

Contos

  • Vozes Anoitecidas.
  • Caminho, em 1987;
  • Cada Homem é uma Raça
  • Estórias Abensonhadas
  • Contos do Nascer da Terra
  • Na Berma de Nenhuma Estrada
  • O Fio das Missangas

Crónicas

  • Cronicando
  • O País do Queixa Andar (2003)
  • Pensatempos. Textos de Opinião
  • E se Obama fosse Africano? e Outras Interinvenções.

Romances

  • Terra Sonâmbula
  • A Varanda do Frangipani
  • Mar Me Quer
  • Vinte e Zinco
  • O Último Voo do Flamingo
  • O Gato e o Escuro
  • Um Rio Chamado Tempo, uma Casa Chamada Terra
  • A Chuva Pasmada
  • O Outro Pé da Sereia
  • O beijo da palavrinha
  • Venenos de Deus, Remédios do Diabo (2008)
  • Jesusalém [no Brasil, o livro tem como título Antes de nascer o mundo] (2009)
  • A Confissão da Leoa (2012)

UNGULANI BA KA KHOSA

Vida

Ungulani Ba Ka Khosa (pseudónimo de Francisco Esaú Cossa), (Inhaminga, 1 de Agosto de 1957) é um escritor e professor de Moçambique.

Khosa fez o ensino primário na provincia de Sofala e o ensino secundário, parte em Lourenço Marques e parte na Zambézia. Em Maputo tira o bacharelato em História e Geografia na Faculdade de Educação da Universidade Eduardo Mondlane e exerceu a função de professor do ensino secundário.

Em 1982 trabalha para o Ministério da Educação durante um ano e meio. Seis meses depois de ter saído do Ministério da Educação é convidado para trabalhar na Associação dos Escritores Moçambicanos (AEMO), da qual é membro.

Iniciou a sua carreira como escritor com a publicação de vários contos e participou na fundação da revista Charrua da AEMO.

Foi a realidade vivida em Niassa e Cabo Delgado, onde existiam as zonas de campos de reeducação que eram mal organizadas, que o fez inclinar mais para a literatura e, por isso, sentiu a necessidade de escrever para falar e expor essa realidade para as pessoas.

Obras

Eduardo White

É um poeta de Moçambique.

Obras

Amar sobre o Índico (1984); Homoíne (1987);“País de Mim (1990); Prémio Gazeta revista Tempo; Poemas da Ciência de Voar e da Engenharia de Ser Ave (1992); Prémio Nacional de poesia; Os Materiais de Amor Seguido de O Desafio à Tristeza (1996); Janela para Oriente (1999); Dormir com Deus e um Navio na Língua (2001); bilingue português/inglês; Prémio Consagração Rui de Noronha (Editora Labirinto); As Falas do Escorpião (novela; 2002); O Homem a Sombra e a Flor e Algumas Cartas do Interior (2004); O Manual das Mãos (2004); Grande Prémio de Literatura José Craveirinha, Prémio TV Zine para Literatura; Até Amanhã Coração (2007); Dos Limões Amarelos do Falo, às Laranjas Vermelhas da Vulva (2009); Prémio Corres da Escrita; Nudos (2011), Antologia da sua obra poética; O Libreto da Miséria (2010-2012);A Mecânica Lunar e A Escrita Desassossegada (2012).

São vários os escritores Moçambicanos

Albino Magaia-(Malugate  (1987) Yô  Mabalane (1965)); Augusto Carlos; Armando Artur; Calane da Silva (Xicandarinha na lenha do mundo); Carlos Cardoso; Carlos dos Santos; Célio João Belo; Delma  Maria Gocçalves; Eduardo White; Eusébio Sanjane; Elton Rebello; Glória de Sant Anna; Gulamo Khan; Hélder Muteia; Heliodoro dos Santos Albasini; João Dias; João dos Santos Albasini; João Paulo Borges Coelho; Jorge Viegas; José Craveirinha (Chigubo); José pastor; Juvenal Bucuane; Leite de Vasconcelos; Lília Momplé; Lina Magaia; Luís Bernardo Honwana (Nós Matamos o cão tinhoso); Luís Carlos Patraquim; Marcelino dos Santos (Covicção); Marcelo Panguana; Mário Lópes; Mia Couto (Terra Sonâmbula; A varanda do frangipan, o Gato e o Escuro); Nelson Saúte; Noémia de Sousa; Orlando Mendes; Paulina  Chiziane; Reinaldo Ferreira; Rui de Noronha; Rui Knopfli;Rui Nogar; Ruy Guerra; Suleiman Cassamo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu nome aqui
Por favor digite seu comentário!